terça-feira, 27 de dezembro de 2016

A Universidade e os saberes

As universidades são instituições antigas, com vários séculos de história ao longo dos quais se registaram consideráveis alterações nos objectivos perseguidos e modos de os atingir. Durante muito tempo, elas ensinavam com mais elevada sofisticação argumentativa os credos religiosos dominantes nas respectivas sociedades, e algumas ainda hoje o fazem. Mas, a par disso e da discussão especulativa das leis que deviam reger a conduta os Homens, também se empenharam em estudar e explicar os fenómenos naturais observáveis na natureza envolvente. Assim, desde logo se cavaram diferenciações profundas entre meia dúzia de ramos do saber, cada um deles capaz de elaborar e justificar as suas próprias metodologias de pensar: a teologia, consolidando o património legado pelos “doutores da Igreja” (Santo Agostinho, S. Tomás de Aquino) mas bastante imbricada com a base filosófica legada pelo antigos Gregos; a literatura (poética, teatro, epopeia); as leis e a retórica, muito ao serviço dos poderes político-sociais dominantes (e criando uma incrível densidade de regras formais que marcaram a época medieval); a matemática, ligada à astronomia e à representação da Terra por um lado, e à física e às edificações por outro; a cartografia geográfica e a navegação; a medicina; e as ciências naturais (em particular a zoologia e a botânica).
Com a revolução cultural renascentista (a que não foi alheio o estilhaçamento da unicidade do cristianismo de Roma), a universidade começou a projectar os seus braços, formando Colégios especializados em novos ramos da ciência, a saber: a biologia, explorando os mecanismos mais íntimos e não visíveis da vida, com efeitos na medicina e no aprofundamento do conhecimento do mundo animal e vegetal; a geologia e a história da terra (com ligação aos antecedentes); a física (mecânica, óptica, magnetismo, termodinâmica, etc., conhecimentos que tornaram possível a “revolução industrial”); a química (com desenvolvimento um pouco posterior mas irresistível, permitindo penetrar onde a física já não chegava e com aplicações directas na indústria); a história (puxada da lenda e da crónica para a esfera do saber investigativo); e a economia (despegando-se da filosofia e do direito, e explorando os métodos de cálculo matemático). Em contrapartida, a literatura saiu a pouco e pouco da alçada académica para o espaço civil da criação artística, autonomizando-se com o romance, a novela, o jornalismo e o panfletarismo. E as “artes da guerra” mantiveram-se sempre à margem destas instituições, constituindo a sua própria escola de pensamento e de formação dos seus quadros, um pouco como os conventos e seminários haviam congelado a disciplina, os saberes e os rituais do cristianismo.
No século XVIII, as “luzes” do racionalismo abriram novas portas ao conhecimento, crença em que acreditavam firmemente os enciclopedistas. A educação e a pedagogia erigiram-se então em matérias importantes leccionadas em instituições especializadas, que deveriam orientar os futuros profissionais da escola pública, complementando e substituindo em boa medida o papel das famílias e das comunidades de base de residência ou pertença. Preparava-se o processo da “reforma social” da Modernidade e, sob este enfoque, a metamorfose do Estado-nação.   
Por outro lado, paralelamente às Universidades, as Academias contribuíram poderosamente para a sistematização dos saberes: o método passou a dominar e organizar os resultados da investigação, da experimentação, da reflexão e da própria criação. Academias das Ciências, das Belas-Artes e das Belas-Letras, da História, de Música, etc., surgiram em vários cantos da Europa, relegando doravante para um passado tornado imóvel os saberes recitados da escola corânica ou dos santuários budistas. Obviamente, estas Academias beneficiavam dos favores dos poderes régios, mas estes acarinhavam sobretudo os arquitectos e os músicos, que lhes asseguravam a glorificação, e também os “físicos” (que lhes tratavam da saúde) e os confessores da Igreja, a bem de um eterno descanso. Mas o “método científico”, baseado na possibilidade de repetição da prova, entrou na sua idade adulta. E a Indústria – e já não o empório comercial ou os complexos e dificilmente transmissíveis saberes agrários – veio para, progressivamente, reorganizar toda a vida económica dos povos, alterar a estrutura social e as próprias sociabilidades e entendimentos colectivos. Não trouxe consigo apenas o Progresso e alguma forma de Liberdade; trouxe também uma enorme multiplicação da potência destruidora (ou constrangedora) das Armas, alterando a configuração da batalha e das guerras, mexendo com a diplomacia, redefinindo Nações e Impérios. Num plano mais conceptual, nascia também a geopolítica, caída em desgraça no século seguinte (Yves Lacoste: “la géographie sert avant tout à faire la guerre”). Porém, além das matérias-primas e dos novos mercados, a “segunda globalização” (colonial, oitocentista) atacou a espiritualidade animista ou panteísta de negros africanos e nativos americanos, atribuindo-se a humanitária missão de trazer esses povos para a nossa civilização e para a Modernidade – o que, parecendo impossível, afinal foi feito ao cabo de quatro ou cinco gerações, embora produzindo contradições e dilaceramentos internos que hoje se nos mostram mais visíveis.
Nesse século XIX – que viu também a economia e o direito começarem a organizar a vida internacional em bases mais racionais, com as convenções, as patentes e a estandardização –, a Universidade vai tomando as formas que ainda hoje lhe reconhecemos: faculdades e institutos donos de “disciplinas científicas” consolidadas; formalização de procedimentos (cátedras e cadeiras, exames, concursos, bibliotecas, laboratórios, rotinas administrativas, rituais académicos, fontes de financiamento); cada vez maior subdivisão dos saberes, organizados em especialidades; e nascimento das “ciências humanas” (com a antropologia, a sociologia, a demografia, a psicologia, mais tarde a psicanálise); penetração quase geral do uso de técnicas de medição estatística, tendendo a dar àqueles últimas um aspecto mais objectivo – tudo isto favorecido e legitimado por uma visão filosófica positivista, que congelava definitivamente os “estados teológico e metafísico” do pensamento humano. Mas, é por estas épocas que a articulação entre a ciência e as técnicas se torna mais evidente, directa e impactante sobre a sociedade e o meio natural. A química e a física (sobretudo com o domínio dos materiais metálicos, os maquinismos e, depois, com a electricidade) tornam-se factores quase imediatamente produtivos; são eles que permitem (ou exigem) o desabrochamento das engenharias como disciplinas e saberes de intermediação entre a investigação fundamental e as aplicações úteis, com valor económico.
No dealbar do século XX, a física alarga o seu espectro com a descoberta da composição íntima da matéria, o estudo das radiações, enfim, a física atómica. A electricidade, o magnetismo e as radiações suportam o desenvolvimento da electrónica, com a exploração do espectro radioeléctrico e a multiplicação e especialização de equipamentos. Aqui, o décalage temporal entre descobertas científicas e artefactos fabricados com base nelas reduz-se talvez a 30 ou 40 anos (a telegrafia sem fios, a radiologia, o incrível poder destruidor da “bomba atómica”, etc.). E a instituição universitária – agora no Ocidente já totalmente liberta das peias religiosas – acantona-se durante algum tempo numa estruturação interna implícita em torno de duas grandes áreas: as “ciências” (exactas, experimentais e comprováveis, incluindo as físico-químicas, as engenharias, a medicina e a farmácia, ou ainda as chamadas ciências naturais), por um lado; e por outro as “humanidades”, onde cabiam a história, a filosofia, o estudo das línguas, das literaturas e das culturas, a sociologia e (um pouco forçadamente, mas por razões diferentes) a geografia e o direito. A escola primária continuava a ter como missão o ensinar a ler, escrever e contar. Mas as matérias elementares do ensino secundário que abriam os caminhos para aquelas duas fileiras eram, no primeiro caso, as matemáticas e as ciências físico-químicas; e, no segundo, geralmente o latim, a filosofia e a história. Não por acaso, os prestigiados prémios criado por Alfred Nobel incidiram sobre a Física, a Química e a Medicina e Biologia, sendo o da Literatura e o da Paz correspondentes a outras motivações daquela época.
A indústria, os meios de transporte e comunicação, os laboratórios dos cientistas e os gabinetes governamentais criaram então as condições de crescimento de uma economia capitalista que se tornou imparável, até aos nossos dias. Esta, por sua vez, modificou profundamente as estruturas internas das sociedades e afectou as relações internacionais com efeitos nunca antes imaginados (guerras, tratados, organizações inter-estatais). E esta economia, as indústrias pesadas e extractivas, e os progressos constantes da ocupação urbana ajudaram a configurar um novo desafio: o de fazer face aos nefastos efeitos ambientais, com a emergência de algum novo cepticismo quanto aos benefícios do Progresso em franjas minoritárias mais sensíveis das opiniões públicas. 
Depois do processo de descolonização, do alarme causado pelo “risco nuclear” e na vigência de um quadro de áspera competição entre duas “super-potências” (americana e russo-“soviética”), a ciência e as instituições universitárias tornaram-se verdadeiramente matéria de interesse estatal: assegurando-lhes financiamento e encomendas, sugerindo-lhes orientações de pesquisa, estimulando a aproximação universidade-empresas, enquadrando a “vontade de saber” de populações de jovens cada vez mais vastas e preparando as futuras classes dirigentes – sempre com um olho na competição internacional, agora escrutinada com indicadores, rankings e estatísticas muito elaboradas. Neste contexto, a área dos estudos económicos desenvolveu-se notavelmente (acabando também por suscitar um outro Prémio Nobel) e sobretudo originou um novo filão de formação e carreiras profissionais que, de alguma maneira, são típicas do século XX e se prolongam na actualidade: referimo-nos aos gestores, uma qualificação aprendida com o contributo de várias matérias (economia, estatística, direito, psicologia e outras mais específicas) cujos titulares tendem a ocupar os lugares profissionais intermédios das médias/grandes organizações produtivas (fabricantes, prestadoras de serviços, vendedoras, etc.) e de entre os quais se recrutarão as próximas elites dirigentes.
Entretanto, acossadas por uma onda de credibilização que só a auréola de cientificidade parecia poder dar, as “humanidades” não descansaram enquanto não se sujeitaram a critérios de validação semelhantes aos das suas primas “nomotéticas”, assumindo-se no areópago académico como “ciências sociais e humanas”, também vulgarmente tratadas por “ciências moles” para se distinguirem daquelas, ditas “duras”. E, mais recentemente, até as disciplinas artísticas – da música ao teatro ou às belas-artes –, e mesmo as ciências-e-artes da guerra, não resistiram ao apelo de se abrigarem sob a tenda da universidade e de os seus estudantes se representarem com o “manto diáfano” das capas negras – sendo esse também o grande desígnio que alimenta as aspirações das escolas técnicas de nível superior.
Mas, assim como a geografia proporcionou que tal objecto de estudo permitisse abordagens multi-disciplinares (geografia física e geografia humana, para começar), também o desenvolvimento do conhecimento científico tem evidenciado numerosos conflitos quanto à jurisdição de que se arrogam certas disciplinas (ou áreas de conhecimento), decerto com teorias explicativas e métodos de análise originais, mas cada qual pretendendo possuir potencialidades heurísticas superiores… quando muitas vezes tais argumentos cobrem apenas interesses particulares dos seus praticantes (disputa de melhores recursos materiais ou humanos, dos favores dos financiadores, de prestígio próprio e outras compreensíveis fraquezas humanas). Mas noutros casos é o desenvolvimento interno de certos paradigmas teóricos ou metodologias de análise que introduzem factores de crise ou definhamento da capacidade explicativa de uns ramos destas ciências, em favor de outros. Por exemplo, depois de uma fase de florescimento e indesmentível atractividade, a sociologia contemporânea parece-me estar a sofrer dos avanços de disciplinas parcialmente concorrentes como a psicologia social, a antropologia das sociedades complexas, o ordenamento territorial, a história oral, a ciência política ou as relações internacionais. E há ainda os efeitos das percepções sociais dos mais jovens sobre as oportunidades futuras, que podem justificar a redução do interesse pela história, os efeitos de moda das actividades artísticas/criativas ou as fundadas expectativas em toda a fileira das “TIC”.
O desenvolvimento dos diversos saberes científicos tem-se operado nas últimas décadas sem qualquer cimento de ligação entre eles. A filosofia deixou de preencher esse papel, resumindo-se agora talvez a uma “história da evolução do pensamento humano”. Nenhuma meta-teoria, nenhuma epistemologia consistente subjaz às derivas próprias de cada ramo do conhecimento, alguns dos quais cavalgam alegremente as fantásticas tecnologias já disponíveis (ou deixam-se conduzir por elas). Talvez por isso, as religiões parecem sobreviver e relançar-se, após dois séculos de exibição triunfante das nossas racionalidades.
Novas problemáticas e núcleos de saberes se formam – por exemplo, agora nas ciências da computação, na bioquímica ou na astrofísica – com maior rapidez do que se esbatem ou superam as referidas disputas interdisciplinares. Mas, acrescentando-se à missão permanente dos institutos universitários de ciência – pesquisa, codificação e difusão dos saberes –, nunca talvez como agora se esperou tanto dos seus resultados para responder a questões colocadas pelo próprio desenvolvimento da sociedade.
Na actualidade, para dirigir estas grandes organizações que são geralmente as universidades, já não são necessários (nem talvez convenientes) reitores cientistas ou humanistas como foi, por exemplo, Unamuno – que corajosamente enfrentou em 1936 o nacionalismo espanhol mais estúpido e brutal. Bastam bons administradores ou gestores, naturalmente provindo do meio docente universitário mas que, em vez de prosseguirem o seu mister de investigar, ensinar e publicar, disponham antes de competências próprias para bem gerirem recursos diversos em ambientes complexos.
Além disso, hoje, num país como o nosso, as universidades (e os politécnicos) constituem uma espécie de “serviço cívico” para os jovens que almejam alçar-se a patamares de actividade profissional com alguma respeitabilidade social, autonomia de decisão e rendimento económico mais confortável. Eis uma expectativa porventura excessiva para uma instituição que, aspirando à universalidade e ao máximo possível de liberdade para investigar e criar/propor novos esquemas explicativos que dêem conta das complexidades crescentes do mundo onde estamos inseridos, se vê ainda e sempre limitada pelos recursos dos seus patrocinadores principais: os estados nacionais em que se situam.

JF / 28.Dez.2016  

1 comentário:

  1. Olá, gostei imenso e aprendi bastante pelo que dilvuguei junto de alun@s e colegas via facebook, espero não ter feito mal. Feliz Ano Novo!

    ResponderEliminar

Arquivo do blogue